Arquivo | março, 2009
27 mar

Tem sido difícil usar essa máscara de felicidade. Quando meu coração está despedaçado… e tento com tanta dificuldade recolher os pedaços por aí… Tem sido difícil ser essa nova eu, quando minha vontade é de me jogar de vez nesse buraco… e chorar até não sobrar mais nenhuma lágrima em mim. Tem sido muito difícil… Mas eu estou lutando, bravamente eu diria, contra isso, contra mim mesma. Porque eu não quero ser uma vítima. Não mais. Eu quero deixar essa máscara virar meu verdadeiro rosto. Quero uma felicidade estampada. De verdade.

Ainda tento entender tanta coisa… procuro defeitos em mim que justifiquem toda essa situação… mas, ao mesmo tempo, brigo comigo mesma por saber que não existe culpa minha… Eu sei que não sou culpada. A não ser por ter deixado acontecer, por ter me envolvido. Por não me conhecer bem o suficiente pra me proteger. Esse foi o meu erro.

E aqui estou eu, mais de um mês depois de tudo… quando nem deveria mais me lembrar, pensando, escrevendo, sentindo tudo isso! Eu sei que essa tristeza é finita… tem que ser! Mas é difícil acreditar nisso… às vezes penso que estou bem, que superei, mas aí tenho essas recaídas… essas lembranças que simplesmente não vão embora. Que insistem em surgir inapropriadamente e contra a minha vontade.

Por que sentir saudade de um tempo em que nada foi verdadeiro? Por que a mentira me faz tanta falta? Como eu posso sentir conforto sendo enganada?

Ainda estou tentando te esquecer.

Por favor, suma dos meus sonhos. Da minha mente. Das minhas lembranças. Desapareça. Por favor.

Eu era feliz.

Anúncios

radiante

20 mar

“mãe, o amor que eu tenho por vc é seu!” – Nando Reis (Meu aniversário)

escreve certo por linhas tortas…

19 mar

E escreve mesmo… tava aqui pensando: precisou de eu levar um pé na bunda, sofrer igual uma coitadinha, pra aprender a me levantar e curtir a vida como nunca fiz. Sabe de uma coisa? Apesar do que eu disse no post anterior, e é verdade mesmo que eu sou uma carente sem cura, eu tô bem sozinha. Assiiim… sinto muita falta de um alguém às vezes, sabe? E até penso muito no dito cujo… mais do que deveria eu acho… Mas ainda assim me sinto mais completa agora. Parece contraditório neh? E deve ser mesmo… fazer o que se meus sentimentos não entram em acordo? Uma anarquia aqui dentro… sem autoridades nem ordem. BAGUNÇA total. Mas completamente satisfeita com essa desordem! 😉

shame on you

14 mar

Se namoro fosse uma droga poderia se dizer que estou passando por uma crise de abstinência nesse momento. Deprimente, eu sei. Ridículo também. Incontrolável, é o que posso dizer em minha defesa. Serve?

Existe alguma desculpa plausível pra eu estar me sentindo a última das mulheres hoje?? Se tem não consigo encontrar…

Por que essa dependência idiota de alguém, qualquer alguém que me dê um mínimo de conforto, companhia…? Tão difícil ser feliz sozinha?

Finalmente criei coragem pra falar com o meu querido. Meu eterno querido. E fiquei tão feliz por ele, reecontrando o amor. Superando eu. Nós. E, sinceramente, eu estou tão feliz por ele! A felicidade dele me faz feliz… Mas não foi fácil ouvir (ler) certas coisas dele… algumas coisas que, justificadamente, ele precisou desengasgar. Pra se sentir inteiro de novo… e eu espero que tenha esse efeito. Mas coisas que me fizeram mal. Foi como estar subindo um precipício com tanto esforço, no fim das forças, e, na beirada, alguém pisar nas minhas mãos. Voltei pro fundo. Claro que agora a subida deve ser mais fácil, já conheço o caminho. Mas estou cansada. Cansada demais de me esforçar tanto pra ser feliz, pra superar minhas dificuldade estúpidas.

Mas foi tão bom sabê-lo feliz. Inacreditavelmente sem nenhum resquício de ciúmes da nova namorada, sem nenhum sentimento de posse, o que, imagino, seria normal depois de tantos anos juntos. Espero que nossa amizade seja possível. Saudade demais de ter alguém pra conversar… alguém que me conheça só como ele me conhece. Falar coisas que só teria coragem e cara de dizer pra ele.

Nós somos almas gêmeas, se é que isso existe. Mas não como dizem por aí… somos almas irmãs. Um amor só comparável ao que sinto pela minha irmã.

Só queria qualquer coisa que me fizesse me sentir melhor… essa tristeza que não vai embora! Uma tristeza que não conhecia. Poucas lágrimas, mas tantas lembranças… uma melancolia sem fim. Vontade de sumir… vontade de ter mais coragem pra enfrentar.

Tá dificil…

Ex bom é ex…

13 mar

Procurando um método eficaz de apagar memórias inconvenientes que insistem em reaparecer a todo tempo. Alguém?

Mas a fossa, fossa mesmo, já passou. Graças a Deus, amém! Já consigo ouvir músicas tristes sem deprimir, já consigo ver fotos do dito cujo sem coração descontrolado ou lágrimas… Mas as lembranças… principalmente nos últimos dias, tem vindo com uma freqüencia horrorosa. E isso complica.

E ficar lembrando de “bons” momentos me faz imaginar que a gente poderia ter dado certo se…. SE o que?? ELE NÃO ME QUIS!!! Quando que eu vou acordar pra isso?? Ver que eu não tive culpa, que eu fui uma óootima namorada, companhia… ele que simplesmente não me quis.

Nossa… orgulho é um negócio complicado, viu??

Mudando de assunto (credo, até aqui!)…

Ex surge das cinzas..haha… Tô feliz por isso. Ele tá bem e eu fico feliz de vê-lo assim… Não desminto que amo demais ele (como um amigo, por incrível que pareça) e é bom demais saber que ele me superou… rs… E que a gente possa se falar como pessoas civilizadas e que se querem bem.

😉

inspiração

8 mar

Eu não sou uma pessoa muito pé no chão, admito. Mas acho que é isso que me mantém “viva” às vezes.

É quase inevitável perder todas as esperanças na humanidade, na sociedade, após assistir notícias cada vez mais terríveis nos jornais. A única coisa possível de se pensar vendo essas histórias dignas de filmes de terror é que estamos indo cada vez mais pro fundo de um buraco. E que não há esperança de evolução pra nós. E, pensando assim, como seguir? Sinceramente, eu não vejo razões pra estar aqui nesse mundo se não for pra buscar a felicidade, evoluir, fazer o bem… Mas como? Parece que essas coisas estão em uma outra dimensão… que não são possíveis na vida real!

E é por isso que eu fico feliz por não ser tão pés no chão, como dizem. Porque, para mim, na verdade, eu sou uma otimista! E isso é que transforma. É o que tem poder pra transformar essa situação e, ao invés de descer pro fundo, evoluir.

Sei que é difícil ser otimista com tanto caos ao redor. Parece que é tapar os olhos e viver na fantasia. Ás vezes a realidade é tão chocante! …

Mas, com certeza, pessimismo ou “realismo” não levam a nada… Pelo menos não esse realismo que diz que “é assim mesmo e vamos vivendo”.

E meu otimismo também não tem nada a ver com “tá tudo lindo, ótimo”! De jeito nenhum. Isso tudo tá mais pra conformismo! E esse é o pior, o mais perigoso dos sentimentos.

Ser otimista pra mim e ver uma situação ruim e ver motivação suficiente pra mudar aquilo… ver uma saída pra situações, aparentemente, perdidas. Ter esperança na humanidade pra mim é conseguir ver além da violência, além da maldade, da pobreza… ver quanta gente boa existe por aí fazendo o bem. Lutando pelo bem. É conseguir não se abater pelo mal, mas encontrar nele mais vontade ainda de fazer o bem.

Vejo quanta gente entra no Direito buscando coisas erradas! Não só no Direito, eu sei… mas digo por ser o meio que estou conhecendo mais profundamente e que tenho muita vontade de ser parte. Eu sei que querer ser boa, fazer o certo, ajudar, é quase como nadar contra a corrente pra mim. Mas ainda assim eu quero tentar. Eu quero fazer. Não vejo sentido em ter tanta oportunidade na vida, podendo estudar, ter acesso a informação, conhecer pessoas interessantes, poder formar minha própria opinião se não for pra fazer alguma diferença que seja nesse mundo! Nem que seja ínfima.

Imagino que tanta dificuldade em ser otimista venha dessa nossa facilidade nas rodas de conversas, em falar de coisas ruins, acidentes, tragédias. Tão difícil comentarmos como tal pessoa é boa! Ou como tal instituição tem feito diferença. E não me digam que é porque não existem porque é mentira. Só que nossos olhos e ouvidos passam por essas histórias sem vê-las ou ouvi-las. Você para pra ver uma pessoa distribuindo comida aos pobres? E pra ver um acidente?

O que a gente precisa é aprender a enxergar o bem e se inspirar nele pra passar adiante.

Então, da próxima vez que estiver entre amigos, lembre-se de coisas boas pra contar… Inspire as pessoas ao seu redor! Inspire boas vibrações…

Derreteeendo…

7 mar

Aceito passagens para o inverno Europeu!